Onde está o Aedes?

nível de
atenção

MI Aedes - Monitoramento Inteligente do Aedes aegypti

As informações do MI Dengue estão disponíveis no Centro Integrado de Comando da Cidade de Porto Alegre (Ceic), garantindo mais agilidade e eficácia à prevenção e combate da dengue em Porto Alegre. A tecnologia para monitoramento da proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da Dengue, reúne informações coletadas das 795 (até início de dezembro de 2014) armadilhas (Mosquitrap) para captura de mosquitos adultos instaladas em 25 bairros. Os dados são coletados uma vez por semana por agentes de combate a endemias. Em dezembro de 2016, o número de armadilhas instaladas chegou a 935, em 31 bairros, com cobertura plena ou parcial. 
 
Em um mapa, o sistema mostra o índice de infestação do mosquito nas áreas onde as armadilhas estão instaladas, numa escala de cores: verde, amarelo, laranja e vermelho indicam o índice de infestação; roxo, indica a existência de mosquitos infectados com o vírus. Cada bolinha do mapa corresponde à área de abrangência de uma armadilha. Casos da doença confirmados são indicados com marcador azul. 
 
 As armadilhas são posicionadas em área externa de residências e estabelecimentos comerciais, com a distância aproximada de 250 metros entre uma e outra. São confeccionadas em plástico preto e têm em torno de 30 centímetros de altura. Antes de montá-las, os agentes conversam com moradores e proprietários de empresas da região para solicitar a concordância deles e a permissão para reavaliação semanal da situação. “O mais importante são as ações preventivas. Por isso, temos tido sucesso no combate à dengue. Na verdade, esta nova ferramenta é colaborativa, já que é a população que vai ajudar a monitorar a presença do mosquito”, destacou o prefeito.
 
Ao examinar os locais visitados, os agentes de combate a endemias repassam a CGVS, em tempo real, as informações obtidas – como o número de mosquitos encontrados em cada armadilha. Para isso, as fichas em papel que eram utilizadas para o registro de inspeção foram substituídas pelo uso de telefones celulares, que permite o envio dos dados em tempo real. São essas informações que estão disponíveis para o CEIC, possibilitando a emissão de alertas tanto à população, via meios de comunicação, quanto para os órgãos do governo municipal que estão integrados ao Centro de Comando.
 
A tecnologia está sendo utilizada desde 2012 e foi contratada pela Secretaria Municipal de Saúde, junto à empresa Ecovec, de Minas Gerais. Com base nas informações coletadas, pelo sistema, a Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde (CGVS) dispõe de um mapeamento atualizado semanal sobre as condições de infestação em cada bairro. A partir de quinta-feira, os dados ficarão à disposição de outros órgãos da prefeitura e da população, garantindo mais rapidez nas ações preventivas e de controle da infestação do mosquito.